VI ENCONTRO JARDINS HISTÓRICOS | envolvimento, sensibilização e participação da sociedade

 To see a world in a grain of sand
and a heaven in a wild flower
hold infinity in the palm of your hand
and Eternity in an hour.

(William Blake)

Para ver um mundo em um grão de areia
E um  céu em uma flor selvagem,
Mantenha o Infinito na palma da sua mão
E Eternidade em uma hora

 

Questões aparentemente pouco relevantes podem oferecer importantes contribuições a compromissos de dimensões muito maiores. É o caso do jardim que, poucos se apercebem disso, pode desempenhar um valioso papel na preservação do meio ambiente. Um jardim pode ensinar tudo o que, em uma escala macro, ocorre e exerce influência sobre a natureza e o ambiente em um nível planetário. Qualquer um, adulto ou criança, aí recebe informações sobre o meio físico – clima, geologia, hidrologia, solos, e outros – sobre o meio biológico – flora, fauna, ecologia – assim como sobre as atividades antrópicas, distinguindo aquelas que são benéficas ou danosas ao equilíbrio desse modelo miniaturizado do planeta Terra. Tudo isso pode ser compreendido nesse pequeno universo do jardim. Um jardim histórico não apenas reúne dados espaciais, mas também temporais, por registrar testemunhos do passado e do presente, para o futuro.

Os jardins sempre foram considerados um símbolo miniaturizado do Universo, assim como um indicador do grau de civilização de todos os povos. Quanto mais adiantada for uma cultura, tão mais excelente é a arte de seus jardins. Ensinar a ver, respeitar e amar os jardins é também uma forma de ensinar a ver, respeitar e amar a natureza e o equilíbrio do planeta no qual vivemos e que vimos destruindo. Hoje ameaçamos não apenas nossas futuras condições de vida como as de todos os seres viventes com os quais compartilhamos esse habitat.

Os jardins históricos não têm sido objeto de uma valorização similar àquela que tem sido dispensada a outros bens de valor cultural e artístico. Preocupados com essa situação que ameaça também outros bens de elevado valor patrimonial e social, alguns profissionais passaram a se reunir com o objetivo de discutir e propor ações para defesa dos jardins históricos. Essa preocupação resultou na criação de um grupo voltado para a consecução desse propósito, a Rede Brasileira de Jardins e Paisagens. Um grupo que, hoje, assume um compromisso ainda mais amplo, não se restringindo mais apenas aos jardins históricos, mas incluindo também as paisagens culturais.

Desde o surgimento desse grupo, foram realizados, a partir de 2010, diversos eventos e reuniões, dos quais os mais expressivos foram as cinco edições do Encontro de Gestores de Jardins Históricos. A quarta reunião abordou o tema A Cultura, as Práticas e os Instrumentos de Salvaguarda de Espaços Paisagísticos e, o quinto, Intervenção e Valorização do Patrimônio Paisagístico. O primeiro encontro proporcionou uma valiosa contribuição à proteção desses bens patrimoniais, a elaboração da Carta dos Jardins Históricos Brasileiros, dita Carta de Juiz de Fora, por ter sido realizado nessa cidade de Minas Gerais, onde se encontra um dos mais belos e importantes jardins históricos do país, o Parque Mariano Procópio. Prontamente, esses eventos ultrapassaram as fronteiras nacionais, passando a contar com a participação de renomados especialistas de outros países.

Em 2018, será realizado mais um encontro, agora com nova denominação, já que tais eventos não tratam apenas da gestão, mas de todas outras ações, atividades e operações imprescindíveis à defesa e preservação dos jardins históricos e das paisagens. Acresça-se a isso, o fato de a Rede Brasileira de Jardins e Paisagens ter ampliado o número de participantes, com a associação a novas instituições como o ICOMOS-Brasil e o apoio de instituições universitárias como a Escola de Belas Artes /UFRJ através de grupos de pesquisas que atuam diretamente no estudo da paisagem e dos jardins, além de investigadores acadêmicos, autônomos e profissionais


VI Encontro dos Jardins Históricos

O VI Encontro dos Jardins Históricos será realizado de 21 a 23 de novembro de 2018, em Belo Horizonte, MG, com o tema “Jardins históricos: envolvimento, sensibilização e participação da sociedade”. O evento é uma realização da Rede Brasileira de Jardins e Paisagens, em parceria com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN, Fundação Casa de Rui Barbosa- FCRB, e Escola de Belas Artes- EBA/UFRJ. E conta com o apoio da Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas – ABAP, Secretaria da Cultura do Estado de Minas Gerais, Instituto de Estudos de Desenvolvimento Urbano – IETS/MG, Grupo de Pesquisas História do Paisagismo GPHp – EBA/UFRJ, Grupo de Pesquisas Paisagens Híbridas GPPH – EBA/UFRJ e do International Council on Monuments and Sites – ICOMOS/BR.

Convidamos a comunidade acadêmica de pesquisadores na área de paisagem, patrimônio paisagístico e jardins para submeterem trabalhos ao nosso Comitê Científico, a serem enviados na forma de texto completo. As apresentações orais deverão ter 20 minutos de duração, e poderão contar com apoio de projeção.

Os trabalhos devem incidir em temas do encontro e atender às normas editoriais abaixo.  A data limite de envio dos artigos completos é 16 de setembro de 2018.  O resultado da seleção será divulgado no site da Fundação Casa de Rui Barbosa (www.casaruibarbosa.gov.br). O o envio do arquivo será realizado pelo site  do Grupo de Pesquisas Paisagens Híbridas.

As comunicações serão apresentadas no auditório da Superintendência do IPHAN/MG, na rua Januária 130, Belo Horizonte, Minas Gerais, dos dias 21 a 23 de novembro, das  9h30 às 18h.

CONDIÇÕES DAS INSCRIÇÕES    
Profissionais: R$ 200,00
Estudantes: R$ 150,00

Nota 1 : As propostas deverão ser encaminhadas por, no máximo, três autores.
Nota 2 : Em caso de estudantes de graduação, um dos proponentes deverá ser orientador.
Nota 3:  A forma de pagamento será informada oportunamente, após a divulgação das propostas selecionadas.

ENVIO DE TRABALHOS:  PREENCHER A FICHA ABAIXO NO SITE, E ANEXAR O ARQUIVO EM DOC.WORD E NO MÁXIMO 5(CINCO) IMAGENS

INFORMAÇÕES: redejardinsepaisagens@gmail.com


CRONOGRAMA DO ENVIO DE COMUNICAÇÕES

Chamada de trabalhos CientíficosDe 12/03 a 16/09
Avaliação pelo Comitê CientíficoDe 16/09 a 21/09
Divulgação dos trabalhos selecionadosDia 25/09
Envio do trabalho selecionados revisadosDe 01/10 a 05/10
Apresentação das comunicaçõesDe 21/11 a 23/11

FORMATAÇÃO DAS COMUNICAÇÕES

Eixos temáticos

I ‒ O lugar do jardim histórico na paisagem brasileira: perspectivas socioculturais e patrimoniais;

II ‒ Planos, práticas, processos de gestão e preservação de jardins históricos e espaços paisagísticos;

III ‒ Tecnologias aplicadas a manutenção e preservação do patrimônio paisagístico.

Só serão aceitos trabalhos originais sob a forma de artigo e devem estar de acordo com as Normas da ABNT.

O Comitê Científico reserva-se o direito de sugerir alterações na redação dos originais, visando a manter a homogeneidade e a qualidade da publicação, respeitando, porém, o estilo e as opiniões dos autores. Todas as alterações terão autorização prévia de seu autor


FORMA DE APRESENTAÇÃO

Corpo do Trabalho: Todo artigo deverá utilizar o processador de texto Word 6.0 ou superior. Após o título, colocar o nome do autor, sua qualificação, procedência e endereço postal e eletrônico. Todo artigo deverá estar acompanhado de um resumo (em português e em inglês) de aproximadamente 500 palavras e conter até quatro palavras-chave (em português e inglês), que deverão estar antes do início do texto. A letra utilizada no corpo do texto deve será Times New Roman, corpo 12, espaço 1,5 e deverá ter entre 20.000 a 35.000 caracteres com espaço (entre 10 a 15 páginas) incluindo as ilustrações.

Notas e Referências Bibliográficas: Deverão ser agrupadas no final do texto e devidamente referenciadas. Devem seguir as normas da ABNT (NBR 6023 e NBR 10520).

Ilustrações: Devem ser utilizadas no máximo cinco ilustrações que sejam importantes para o entendimento do texto. As fotos, mapas, gráficos ou tabelas devem ser digitalizadas em boa resolução (no mínimo de 300 dpi). Devem ser apresentadas na forma de JPG, separadas do texto, mas sua indicação deve aparecer no texto contendo a legenda e a fonte (créditos). As imagens enviadas para publicação deverão, obrigatoriamente, vir acompanhadas de um termo de responsabilidade (autorização do detentor da imagem) por parte dos autores, sobretudo, se as imagens não pertencerem ao acervo do autor.

  • Os artigos enviados ao Comitê Científico deverão ser entregues via correio eletrônico para: redejardinsepaisagens@gmail.com Ou utilizando o formulário abaixo
  • Os candidatos deverão, ainda, elaborar uma folha à parte de identificação pessoal, que deverá conter:
  • Título do trabalho acompanhado pelo resumo e palavras-chave em português;
  • Nome completo do (s) autor (es);
  • Graduação e nome da Instituição onde se graduou (maior Titulação);
  • Pós-graduação e nome da Instituição onde se pós-graduou (maior Titulação);
  • Instituição de origem e função que exerce atualmente;
  • Endereço eletrônico e telefone para contatos (caso possua home-page, indicar).

Inscrição e envio de artigo







Comissão Científica

Prof. Dr. Altino Caldeira (PUC-MG)
Profa. Dra. Ana Rita Sá Carneiro (FAU-UFPe)
Profa. Dra. Aurora Carapinha (Universidade de Évora)
Arq Betina Maria Adams (ICOMOS/IFLA)
Prof. Dr. Carlos Terra (EBA/UFRJ)
Profa. Dra. Karla Caser (IFES)
Profa. Dra. Claudia Storino (Sitio Burle Marx)
Profa. Dra. Cristiane Magalhães (IFESULDEMINAS)
Profa. Dra. Cristina Castel-Branco (Universidade ISA-Lisboa)
Profa. Dra. Flávia Braga (EAU-UFF)
Profa. Dra. Isabelle Cury (IPHAN)
Profa. Dra. Jeanne Trindade (UNESA)
Prof. Dr. Jorge Azevedo (EAU-UFF)
Prof. Dr. Pedro Mergulhão (UNIFAP)
Profa. Dra. Virgínia Vasconcellos (EBA/UFRJ)


Localização

Auditório Superintendência Iphan
Rua Januária, 130, Floresta, Belo Horizonte – MG, 30110-055

 

 


CRÉDITOS

Coordenação
Ana Pessoa (FCRB)
Douglas Fasolato (Casa de Marquesa de Santos)
Celia Corsino (IPHAN-MG)
Rubens de Andrade (Grupo de Pesquisas Paisagens Híbridas– EBA/UFRJ)

Comissão organizadora
Ana Pessoa (FCRB)
Carlos Fernando de Moura Delphim
Carlos Terra (Grupo de Pesquisas História do Paisagismo – EBA/UFRJ
Douglas Fasolato (Casa de Marquesa de Santos)
Isabelle Cury (IPHAN)
Rubens de Andrade (Paisagens Híbridas – EBA/UFRJ)

Realização
Rede Brasileira de Jardins e Paisagens
Fundação Casa de Rui Barbosa
Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN
Escola de Belas Artes – EBA/UFRJ

Apoio
Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas – ABAP
Secretaria da Cultura do Estado de Minas Gerais
Instituto de Estudos de Desenvolvimento Urbano – IETS/MG
Grupo de Pesquisas História do Paisagismo GPHp – EBA/UFRJ
Grupo de Pesquisas Paisagens Híbridas GPPH – EBA/UFRJ
International Council on Monuments and Sites – ICOMOS/BR


Paisagista pela Escola de Belas Artes/Universidade Federal do Rio de Janeiro, Mestre em Ciências da Arquitetura pelo Programa de Pós-Graduação em Arquitetura – ProArq – FAU/UFRJ. Doutor em Planejamento Urbano e Regional pelo Programa de Pós-Graduação de Planejamento Urbano e Regional ? IPPUR/UFRJ. Professor Adjunto da Escola de Belas Artes/UFRJ, no Curso de História da Arte. Atua como Coordenador do Grupo de Pesquisas História do Paisagismo- EBA/UFRJ.

Escola de Belas Artes| Universidade Federal do Rio de Janeiro

Compartilhar

Postagens recentes