VI ENCONTRO DE JARDINS HISTÓRICOS envolvimento, sensibilização e participação da sociedade

 To see a world in a grain of sand
and a heaven in a wild flower
hold infinity in the palm of your hand
and Eternity in an hour.

(William Blake)

Para ver um mundo em um grão de areia
E um  céu em uma flor selvagem,
Mantenha o Infinito na palma da sua mão
E Eternidade em uma hora

 

Questões aparentemente pouco relevantes podem oferecer importantes contribuições a compromissos de dimensões muito maiores. É o caso do jardim que, poucos se apercebem disso, pode desempenhar um valioso papel na preservação do meio ambiente. Um jardim pode ensinar tudo o que, em uma escala macro, ocorre e exerce influência sobre a natureza e o ambiente em um nível planetário. Qualquer um, adulto ou criança, aí recebe informações sobre o meio físico – clima, geologia, hidrologia, solos, e outros – sobre o meio biológico – flora, fauna, ecologia – assim como sobre as atividades antrópicas, distinguindo aquelas que são benéficas ou danosas ao equilíbrio desse modelo miniaturizado do planeta Terra. Tudo isso pode ser compreendido nesse pequeno universo do jardim. Um jardim histórico não apenas reúne dados espaciais, mas também temporais, por registrar testemunhos do passado e do presente, para o futuro.

Os jardins sempre foram considerados um símbolo miniaturizado do Universo, assim como um indicador do grau de civilização de todos os povos. Quanto mais adiantada for uma cultura, tão mais excelente é a arte de seus jardins. Ensinar a ver, respeitar e amar os jardins é também uma forma de ensinar a ver, respeitar e amar a natureza e o equilíbrio do planeta no qual vivemos e que vimos destruindo. Hoje ameaçamos não apenas nossas futuras condições de vida como as de todos os seres viventes com os quais compartilhamos esse habitat.

Os jardins históricos não têm sido objeto de uma valorização similar àquela que tem sido dispensada a outros bens de valor cultural e artístico. Preocupados com essa situação que ameaça também outros bens de elevado valor patrimonial e social, alguns profissionais passaram a se reunir com o objetivo de discutir e propor ações para defesa dos jardins históricos. Essa preocupação resultou na criação de um grupo voltado para a consecução desse propósito, a Rede Brasileira de Jardins e Paisagens. Um grupo que, hoje, assume um compromisso ainda mais amplo, não se restringindo mais apenas aos jardins históricos, mas incluindo também as paisagens culturais.

Desde o surgimento desse grupo, foram realizados, a partir de 2010, diversos eventos e reuniões, dos quais os mais expressivos foram as cinco edições do Encontro de Gestores de Jardins Históricos. A quarta reunião abordou o tema A Cultura, as Práticas e os Instrumentos de Salvaguarda de Espaços Paisagísticos e, o quinto, Intervenção e Valorização do Patrimônio Paisagístico. O primeiro encontro proporcionou uma valiosa contribuição à proteção desses bens patrimoniais, a elaboração da Carta dos Jardins Históricos Brasileiros, dita Carta de Juiz de Fora, por ter sido realizado nessa cidade de Minas Gerais, onde se encontra um dos mais belos e importantes jardins históricos do país, o Parque Mariano Procópio. Prontamente, esses eventos ultrapassaram as fronteiras nacionais, passando a contar com a participação de renomados especialistas de outros países.

Em 2018, será realizado mais um encontro, agora com nova denominação, já que tais eventos não tratam apenas da gestão, mas de todas outras ações, atividades e operações imprescindíveis à defesa e preservação dos jardins históricos e das paisagens. Acresça-se a isso, o fato de a Rede Brasileira de Jardins e Paisagens ter ampliado o número de participantes, com a associação a novas instituições como o ICOMOS-Brasil e o apoio de instituições universitárias como a Escola de Belas Artes /UFRJ através de grupos de pesquisas que atuam diretamente no estudo da paisagem e dos jardins, além de investigadores acadêmicos, autônomos e profissionais


VI Encontro dos Jardins Históricos

O VI Encontro dos Jardins Históricos será realizado de 21 a 23 de novembro de 2018, em Belo Horizonte, MG, com o tema “Jardins históricos: envolvimento, sensibilização e participação da sociedade”. O evento é uma realização da Rede Brasileira de Jardins e Paisagens, em parceria com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN, Fundação Casa de Rui Barbosa- FCRB, e Escola de Belas Artes- EBA/UFRJ. E conta com o apoio da Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas – ABAP, Secretaria da Cultura do Estado de Minas Gerais, Grupo de Pesquisas História do Paisagismo GPHp – EBA/UFRJ, Grupo de Pesquisas Paisagens Híbridas GPPH – EBA/UFRJ e do International Council on Monuments and Sites – ICOMOS/BR.

Convidamos a comunidade acadêmica de pesquisadores na área de paisagem, patrimônio paisagístico e jardins para submeterem trabalhos ao nosso Comitê Científico, a serem enviados na forma de texto completo. As apresentações orais deverão ter 20 minutos de duração, e poderão contar com apoio de projeção.

Os trabalhos devem incidir em temas do encontro e atender às normas editoriais abaixo.  A data limite de envio dos artigos completos é 16 de setembro de 2018.  O resultado da seleção será divulgado no site da Fundação Casa de Rui Barbosa (www.casaruibarbosa.gov.br). O o envio do arquivo será realizado pelo site  do Grupo de Pesquisas Paisagens Híbridas.

As comunicações serão apresentadas no auditório da Superintendência do IPHAN/MG, na rua Januária 130, Belo Horizonte, Minas Gerais, dos dias 21 a 23 de novembro, das  9h30 às 18h.

PROGRAMA

21.11DIA 1
9:30-9:50CREDENCIAMENTO
10:00-10:20ABERTURA
10:20-12:30SESSÃO DE COMUNICAÇÕES I
Tema I: O lugar do jardim histórico na paisagem brasileira: perspectivas socioculturais e patrimoniais
10:20-10:35O gesto do jardineiro e a conservação dos jardins públicos
Wilson de Barros Feitosa Júnior, Ana Rita Sá Carneiro e Joelmir Marques da Silva
10:35-10:50Praça dr. José Esteves, Lavras, MG: patrimônio paisagístico
Alessandra Teixeira da Silva, Karini de Lourdes Silva, Nelson Venturin
10:50-11:05Os jardins de conchas e os cascateiros – rocailleurs – no Brasil
Cristiane Maria Magalhães
11:05-11:20A gestão dos jardins históricos de Burle Marx em Recife: impasses, desafios e perspectivas
Marcelo de Brito Albuquerque Pontes Freitas
11:05-11:20Tema III: Tecnologias aplicadas a manutenção e preservação do patrimônio paisagístico
11:20-11:35O Santuário Digital, os Jardins Históricos e a paisagem cultural.
Altino Barbosa Caldeira, Sandro Laudares e Josimar da Silva Azevedo
11:20-11:35Inventário do patrimônio natural da praça Monsenhor Castro, em Candeias- MG, com vistas a reforma daquele espaço público – proposta metodológica
Silvério José Coelho, Alessandra Teixeira Da Silva e Karini De Lourdes Silva
11:35-12:00Mediação e Debate: Prof. Dr. Carlos Terra | Escola de Belas Artes-EBA/UFRJ
12:30-14:00INTERVALO
14:00 - 16:00MESA-DE DEBATE
Desafios da gestão, proteção e valorização dos jardins históricos
14:00-14:30Dra. Michele Arroyo| IEPHA
14:30-15:00Prof. Dr. Leonardo Barci Castriota | UFMG - ICOMOS
15:00-15:30Prof. Dr. Andrey Rosenthal Schlee | IPHAN-UNB
15:30-16:15Mediação e Debate
Célia Corsino | IPHAN
16:15- 16:40INTERVALO
16:40-17:30CONFERÊNCIA
Os jardins do Museu Paulista: concepção, transformações, preservação
Prof. Dr. Paulo Garcez | Museu Paulista - USP
17:30Mediação Douglas Fasolato | CMS-SEC-RJ
22.11DIA 2
10:00-12:00SESSÃO DE COMUNICAÇÕES II
Tema II: Planos, práticas, processos de gestão e preservação de jardins históricos e espaços paisagísticos
10:00-10:15Jardins da cura: Traços da memória comunal nos jardins de ervas da comunidade mangueirense
Isabela Frade e Daniele de Sá Alves
10:15-10:30Evolução histórica e paisagística da praça Manoel Moreira, o coração de Carrancas – MG.
Iracema Clara Alves Luz, Raiy Magalhães Ferraz e Patrícia Duarte de Oliveira Paiva
10:30-10:45Restauração do Reservatório do Carioca e Caixa Mãe-DÁgua.
Luciano Caetano e Roberto Anderson Magalhães
10:45-11:00O jardim de Burle Marx para a SUDENE: Um patrimônio moderno no Recife
Raquel Nadine Cavalcante Ferreira, Ana Rita Sá Carneiro e Joelmir Marques da Silva
11:00-11:15A integridade visual na conservação do jardim histórico.
Joelmir Marques da Silva, Ana Rita Sá Carneiro e Saúl Alcántara Onofre
11:15-12:00Jardins históricos em Belém do Pará.
Silvia Laura Costa Cardoso e Silvio Lima Figueiredo
11:30-12:00Mediação e Debate: Prof. Dr. Carlos Terra | | Escola de Belas Artes-EBA/UFRJ
12:00 - 14:00INTERVALO
14:00-16:00MESA-REDONDA 2
14:00-14:30Ulisses Batinga | IPHAN
Praça Dino Barbieri, Pampulha – resgatando Burle Marx
14:30-15:00Yuri Mello Mesquita | PBH
Parque Municipal de Belo Horizonte.
15:00-15:30Vanessa Barbosa | Museu Casa Kubitschek.
Pelos jardins do Museu Casa de Kubitschek: o potencial educativo dos jardins históricos
15:30-16:00Dr. Bergson Cardoso Guimarães | MPE
Jardins históricos e áreas protegidas sob o contexto dos conflitos socioambietais
15:30-16:30Mediação e Debate
Dra. Isabelle Cury | IPHAN
23.11DIA 3
10:00-11:30MESA-REDONDA 1
A produção do espaço paisagístico: as historicidades, os usos cotidianos e as sonoridades presente no jardim histórico.
10:00 - 10:30Jardins de Glaziou: Sob a sombra dos estimados vegetais indígenas e não indígenas
Dra. Mariana Reis de Brito | PUC-RJ
10:30 - 11:00A Amazônia no Jardim Botânico do Rio de Janeiro: notas para o manejo e divulgação de uma coleção.
Dra. Ana Rosa Oliveira | JBRJ
11:00 - 11:30A percepção como ferramenta de planejamento, manejo e conservação da paisagem sonora de jardins históricos em Belém e Lisboa
Dr. Antônio Carlos Lobo Soares | Museu Paraense Emílio Goeldi.
11:30 - 11:45Mediação e Debate.
Profa. Dra. Ana Pessoa | Fundação Casa de Rui Barbosa - FCRB.
11:45-12:20PLENÁRIA
14:00-15:30Visita Técnica:
Obras da Praça da Liberdade
Arquiteto Urbanista Ricardo Lana

PARTICIPANTES

  
Ana Pessoa | Arquiteta e Urbanista, Pesquisadora da Fundação Casa de Rui Barbosa e doutora em comunicação e Cultura
Ana Rosa Oliveira | Paisagista e Pesquisadora Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Coordenadora do Laboratório da Paisagem. Dra. em Arquitetura ETSAV- Espanha (1998). Professora colaboradora do Mestrado em Arquitetura Paisagística do Programa de Pós-Graduação em Urbanismo - PROURB - UFRJ - Rio de Janeiro.
Andrey Rosenthal Schlee | Arquitetura Urbanismo, Mestre em Arquitetura, Doutor Arquitetura e Urbanismo. Professor Titular da Universidade de Brasília. Diretor do Departamento de Patrimônio Material e Fiscalização do Iphan, Membro do Conselho Consultivo do Patrimônio Museológico do IBRAM e Bolsista de Produtividade em Pesquisa 2.
Antônio Carlos Lobo Soares | Arquiteto Urbanista, PhD em Arquitetura pela ULisboa, Portugal, Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano pela Universidade da Amazônia, Brasil. Especializou-se em Engenharia Acústica, pela ULisboa; Biologia e Manejo de Animais Silvestres em Cativeiro, pela Fundação Parque Zoológico de SP e Smithsoniam Institution, USA.
Bergson Cardoso Guimarães | Promotor de Justiça, Mestre em Direito das Relações Sociais e Direito ambiental. Coordenador Estadual do NUTA – Núcleo Integrador de Tutela da Água. Doutor em Ciências Florestais. Professor de Direito Ambiental da Escola Superior do Ministério Público do Estado de Minas Gerais.
Carlos Terra | Professor Associado da Escola de Belas Artes- EBA/UFRJ. Doutor em Artes Visuais pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais-PPGAV-EBA/UFRJ. Historiador da Arte.
Célia Corsino | Museóloga, Especialista em Metodologia do Ensino Superior e Administração de Projetos Culturais (Fundação Getúlio Vargas). Diretora do Departamento Imaterial do IPHAN, Superintendente do IPHAN-MG. Professora do MBA de Gestão de Museus.
Douglas Fasolato | Jornalista, advogado, gestor cultural, pesquisador e diretor da Casa da Marquesa de Santos – Museu da Moda Brasileira/SMU/FUNARJ/SEC-RJ
Isabelle Cury | Doutora em Estruturas Ambientais Urbanas, História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo | Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – São Paulo/SP.
Leonardo Barci Castriota | Arquiteto e urbanista, Doutor em Filosofia, Pós-doutor junto ao Getty Conservation Institute (GCI) em Los Angeles e a Universidad Politécnica de Madrid. Professor Titular da Universidade Federal de Minas Gerais e Presidente do ICOMOS- Brasil e vice-presidente do ICOMOS Internacional
Michelle Abreu Arroyo | Historiadora, Mestre e Doutora em Ciencias Sociais, Pesquisadora com ênfase em História das Cidades e História da Arte, Coordenou de 1999 a 2012 a Diretoria de Patrimônio Cultural/FMC da Prefeitura de Belo Horizonte e Atuou como Superintendente do IPHAN em Minas Gerais de 2013 a 2015 e atualmente preside o IEPHA-MG.
Mariana Reis de Brito | Bióloga, Mestre Ciências Biológicas pelo Programa de Pós-Graduação do Museu Nacional/UFRJ. Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Etnobotânica, Etnobotânica Histórica e História da Botânica. Docente do curso de Ciências Biológicas da PUC-RIO
Paulo Garcez | Históriador, Doutor em História Social, Professor MS3 do Museu Paulista da Universidade de São Paulo, docente do Programa de Pós-graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP e do Programa de Pós-graduação em Museologia da USP.
Ricardo Lana | Arquiteto Urbanista
Yuri Mello Mesquita | Historiador, Mestre em História e Atualmente é Diretor de Patrimônio Cultural, Arquivo Público e Conjunto Moderno da Pampulha da Fundação Municipal de Cultura.
Ulisses Batinga | Técnico I / Arquitetura e Urbanismo
Superintendência do IPHAN em Minas Gerais – IPHAN-MG
Vanessa Barbosa | Historiadora, Mestre em Educação e Coordenadora do Museu Casa Kubitschek (Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte). Possui experiência na área do Patrimônio, com ênfase em Educação Patrimonial, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação em Museus, História Local, Mediação Cultural e Cidades Educadoras.

CONDIÇÕES DAS INSCRIÇÕES    

Profissionais: R$ 200,00  | https://pag.ae/bjFKyLY

Estudantes: R$ 150,00 |  https://pag.ae/7UbBBzz4m

Nota 1 : As propostas deverão ser encaminhadas por, no máximo, três autores.
Nota 2 : Em caso de estudantes de graduação, um dos proponentes deverá ser orientador.
Nota 3:  A forma de pagamento será informada oportunamente, após a divulgação das propostas selecionadas.

ENVIO DE TRABALHOS:  PREENCHER A FICHA ABAIXO NO SITE, E ANEXAR O ARQUIVO EM DOC.WORD E NO MÁXIMO 5(CINCO) IMAGENS

INFORMAÇÕES: redejardinsepaisagens@gmail.com


CRONOGRAMA DO ENVIO DE COMUNICAÇÕES

Chamada de trabalhos CientíficosDe 12/03 a 16/09
Avaliação pelo Comitê CientíficoDe 16/09 a 21/09
Divulgação dos trabalhos selecionadosDia 25/09
Envio do trabalho selecionados revisadosDe 01/10 a 05/10
Apresentação das comunicaçõesDe 21/11 a 23/11

FORMATAÇÃO DAS COMUNICAÇÕES

Eixos temáticos

I ‒ O lugar do jardim histórico na paisagem brasileira: perspectivas socioculturais e patrimoniais;

II ‒ Planos, práticas, processos de gestão e preservação de jardins históricos e espaços paisagísticos;

III ‒ Tecnologias aplicadas a manutenção e preservação do patrimônio paisagístico.

Só serão aceitos trabalhos originais sob a forma de artigo e devem estar de acordo com as Normas da ABNT.

O Comitê Científico reserva-se o direito de sugerir alterações na redação dos originais, visando a manter a homogeneidade e a qualidade da publicação, respeitando, porém, o estilo e as opiniões dos autores. Todas as alterações terão autorização prévia de seu autor


FORMA DE APRESENTAÇÃO

Corpo do Trabalho: Todo artigo deverá utilizar o processador de texto Word 6.0 ou superior. Após o título, colocar o nome do autor, sua qualificação, procedência e endereço postal e eletrônico. Todo artigo deverá estar acompanhado de um resumo (em português e em inglês) de aproximadamente 500 palavras e conter até quatro palavras-chave (em português e inglês), que deverão estar antes do início do texto. A letra utilizada no corpo do texto deve será Times New Roman, corpo 12, espaço 1,5 e deverá ter entre 20.000 a 35.000 caracteres com espaço (entre 10 a 15 páginas) incluindo as ilustrações.

Notas e Referências Bibliográficas: Deverão ser agrupadas no final do texto e devidamente referenciadas. Devem seguir as normas da ABNT (NBR 6023 e NBR 10520).

Ilustrações: Devem ser utilizadas no máximo cinco ilustrações que sejam importantes para o entendimento do texto. As fotos, mapas, gráficos ou tabelas devem ser digitalizadas em boa resolução (no mínimo de 300 dpi). Devem ser apresentadas na forma de JPG, separadas do texto, mas sua indicação deve aparecer no texto contendo a legenda e a fonte (créditos). As imagens enviadas para publicação deverão, obrigatoriamente, vir acompanhadas de um termo de responsabilidade (autorização do detentor da imagem) por parte dos autores, sobretudo, se as imagens não pertencerem ao acervo do autor.

  • Os artigos enviados ao Comitê Científico deverão ser entregues via correio eletrônico para: redejardinsepaisagens@gmail.com Ou utilizando o formulário abaixo
  • Os candidatos deverão, ainda, elaborar uma folha à parte de identificação pessoal, que deverá conter:
  • Título do trabalho acompanhado pelo resumo e palavras-chave em português;
  • Nome completo do (s) autor (es);
  • Graduação e nome da Instituição onde se graduou (maior Titulação);
  • Pós-graduação e nome da Instituição onde se pós-graduou (maior Titulação);
  • Instituição de origem e função que exerce atualmente;
  • Endereço eletrônico e telefone para contatos (caso possua home-page, indicar).

Inscrição e envio de artigo







Comissão Científica

Prof. Dr. Altino Caldeira (PUC-MG)
Profa. Dra. Ana Rita Sá Carneiro (FAU-UFPe)
Profa. Dra. Aurora Carapinha (Universidade de Évora)
Arq Betina Maria Adams (ICOMOS/IFLA)
Prof. Dr. Carlos Terra (EBA/UFRJ)
Profa. Dra. Karla Caser (IFES)
Profa. Dra. Cristiane Magalhães (IFESULDEMINAS)
Profa. Dra. Cristina Castel-Branco (Universidade ISA-Lisboa)
Profa. Dra. Flávia Braga (EAU-UFF)
Profa. Dra. Isabelle Cury (IPHAN)  Profa. Dra. Helena  Tourinho (Universidade da Amazônia – UNAMA)
Profa. Dra. Jeanne Trindade (UNESA)
Prof. Dr. Jorge Azevedo (EAU-UFF)
Prof. Dr. Pedro Mergulhão (UNIFAP)
Profa. Dra. Virgínia Vasconcellos (EBA/UFRJ)


Localização

Auditório Superintendência Iphan | Rua Januária, 130, Floresta, Belo Horizonte – MG, 30110-055

 

 


CRÉDITOS

Coordenação
Ana Pessoa (FCRB)
Douglas Fasolato (Casa de Marquesa de Santos)
Carlos Terra (Grupo de Pesquisas História do Paisagismo – EBA/UFRJ
Rubens de Andrade (Grupo de Pesquisas Paisagens Híbridas– EBA/UFRJ)

Comissão organizadora
Ana Pessoa (FCRB)
Carlos Fernando de Moura Delphim
Carlos Terra (Grupo de Pesquisas História do Paisagismo – EBA/UFRJ
Douglas Fasolato (Casa de Marquesa de Santos – FUNARJ – SEC-RJ)
Isabelle Cury (IPHAN)
Célia Corsino (IPHAN)
Rubens de Andrade (Paisagens Híbridas – EBA/UFRJ)

Realização
Rede Brasileira de Jardins e Paisagens
Fundação Casa de Rui Barbosa
Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN
Escola de Belas Artes – EBA/UFRJ

Apoio
Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas – ABAP
Secretaria da Cultura do Estado de Minas Gerais
Grupo de Pesquisas História do Paisagismo GPHp – EBA/UFRJ
Grupo de Pesquisas Paisagens Híbridas GPPH – EBA/UFRJ
International Council on Monuments and Sites – ICOMOS/BR


Compartilhar

Paisagista pela Escola de Belas Artes/Universidade Federal do Rio de Janeiro, Mestre em Ciências da Arquitetura pelo Programa de Pós-Graduação em Arquitetura – ProArq – FAU/UFRJ. Doutor em Planejamento Urbano e Regional pelo Programa de Pós-Graduação de Planejamento Urbano e Regional ? IPPUR/UFRJ. Professor Adjunto da Escola de Belas Artes/UFRJ, no Curso de História da Arte. Atua como Coordenador do Grupo de Pesquisas História do Paisagismo- EBA/UFRJ.

Escola de Belas Artes| Universidade Federal do Rio de Janeiro