III FESTIVAL DE ARTE E ESPAÇO PÚBLICO | 22

CONVOCATÓRIA – DATA DE ENVIO AMPLIADA PARA 15.04.2022

02 A 05 DE AGOSTO | 2022

O III EBA URBE, Festival de Arte e Espaço Público, após um hiato de sete anos, retoma seus trabalhos com a difícil missão de pensar futuros possíveis para construção de mundos que se desliguem radicalmente dos registros da colonialidade. Nesse processo, a quebra surge enquanto dispositivo metodológico, não o único, mas um de extrema importância para se colocar em prática imaginações radicais capazes e dispostas a cumprir esse chamado.

Apostando no poder das ficções, busca-se, mais do que um distanciamento estratégico, a eclosão do mundo como tal, esse mundo no qual vivemos em que as vidas não hegemônicas, já historicamente violadas, continuam a ser vítimas das maquinarias de morte, dos desejos de destruição e consumo. Podem ecoar, nessa lógica, as ideias de Ailton Krenak: A minha provocação sobre adiar o fim do mundo é exatamente sempre poder contar mais uma história. Se pudermos fazer isso, estaremos adiando o fim.

Quebrar, pressupõe um golpe de ruptura no tempo e espaço: romper com uma história de sequencialidade e continuidade de violências que matizam e balizam a experiência moderna/colonial das gentes lançadas ao abismo. Importa nesse sentido, mais do que reduzir certas experiências a um jogo binário violência/resistência, engendrar modelos de fuga do mundo, priorizando as fabulações que visualizam para além desse dualismo, formas de vida.

O EBA URBE é um festival voltado para a produção de jovens artistas, em sua maioria, abrangendo livremente projetos a ser desenvolvidos em diversos suportes, linguagens e técnicas, visando a ocupação da área do prédio Jorge Machado Moreira (conhecido como prédio da Reitoria) e seu entorno.

Convocamos, portanto, Artistas a enviar propostas de realização de trabalho para o III EBA URBE: Festival de Arte e Espaço Público a partir do dia 20 de janeiro de 2022.

Sediado na cidade do Rio de Janeiro, o EBA URBE, compreende plenamente as dinâmicas nefastas que consolidaram essa metrópole enquanto um espaço fraturado, onde as políticas de extermínio aqui praticadas fizeram desta cidade uma espécie de  laboratório das experiências necropoliticas, o que torna imprescindível o encontro e troca de ideias, de imaginários que reconfiguram os rumos das metrópoles do mundo e propõem outros devires.

DATAS | DATE | FECHA

Envio de propostas: até o dia 31 de março de 2022

Submission of proposals: until March 31, 2022

Envío de propuestas: hasta el 31 de marzo de 2022

FORMATO DA INSCRIÇÃO |REGISTRATION FORMAT |FORMATO DE REGISTRO

O documento de inscrição precisa conter:
1) concepção/descrição do projeto a ser realizado;
2) portfólio com 5 a 8 imagens de trabalhos anteriores
3) breve currículo do artista.
4) videos em formato MP4 e imagens em formato JPEG.

The application document must contain:
1) design/description of the project to be carried out;
2) portfolio with 5 to 8 images of previous works
3) brief resume of the artist.

4) videos in MP4 format and images in JPEG format.

El documento de solicitud debe contener:
1) diseño/descripción del proyecto a realizar;
2) portafolio con 5 a 8 imágenes de trabajos anteriores
3) breve currículum del artista.  4) vídeos en formato MP4 e imágenes en formato JPEG.

DESTAQUES |  HIGHLIGHTS |DESTACAR

É possível enviar trabalhos que acontecerão de forma remota, pois prevemos a elaboração de uma galeria virtual.

As propostas serão avaliadas por uma comissão formada pelos curadores do EBA URBE, professores da Escola de Belas Artes, convidados e convidadas.

Os trabalhos selecionados serão acompanhados pelos curadores, podendo sofrer adaptações, conforme as especificidades e restrições físicas que possam vir a ocorrer.

Os materiais utilizados serão de custeio e inteira responsabilidade dos artistas e deverão ser retirados dos espaços em até 2 (dois) dias corridos após o fim do evento.

Os artistas deverão acompanhar todas as etapas referentes à produção

A divulgação do resultado da seleção desta convocatória será realizada no dia 31 de março, na site do festival EBA URBE.

It is possible to send works that will take place remotely, since we foresee the elaboration of a virtual gallery.

The proposals will be evaluated by a commission formed by the curators of EBA URBE, professors from the School of Fine Arts, and guests.

The selected works will be accompanied by the curators, and may suffer adaptations, according to the specificities and physical restrictions that may occur.

Las obras seleccionadas serán acompañadas por los comisarios, y podrán sufrir adaptaciones, según las especificidades y restricciones físicas que puedan darse.

The materials used will be of the artists’ entire responsibility and must be removed from the spaces within 2 (two) calendar days after the end of the event.

The artists must follow all the stages related to the production.

The announcement of the selection results of this call will be on
March 31st, on the EBA URBE festival website

Es posible enviar obras que tendrán lugar a distancia, ya que se prevé la elaboración de una galería virtual.

Las propuestas serán evaluadas por una comisión formada por los comisarios de EBA URBE, profesores de la Escuela de Bellas Artes e invitados.


Las obras seleccionadas serán acompañadas por los comisarios, y podrán sufrir adaptaciones, según las especificidades y restricciones físicas que puedan darse.

Los materiales utilizados serán de la entera responsabilidad de los artistas y deberán ser retirados de los espacios en un plazo de 2 (dos) días naturales tras la finalización del evento.

Los artistas deben seguir todas las etapas relacionadas con la producción.


El anuncio de los resultados de la selección de esta convocatoria será el 31 de marzo, en la página web del festival EBA URBE

INSCRIÇÕES |REGISTRATIONS | INSCRIPCIONES

Nota: Caso haja algum problema na anexação do arquivos pelo sistema, envie o material pelo email: ebaurbe.2022@gmail.com

Nota: Si hay algún problema para adjuntar los archivos por el sistema, envíe el material por correo electrónico: ebaurbe.2022@gmail.com    
Note: If there is any problem in attaching the files by the system, send the material by email:ebaurbe.2022@gmail.com






    III EBA URBE – ART AND PUBLIC SPACE FESTIVAL – SKYFALL

    The III EBA URBE, Art and Public Space Festival, after a hiatus of seven years, resumes its works with the difficult mission of thinking possible futures for the construction of worlds that radically disconnect from the registers of coloniality. In this process, the break emerges as a methodological device, not the only one, but one of extreme importance to put into practice radical imaginations capable and willing to fulfill this call.

    Betting on the power of fictions, one seeks, more than a strategic distancing, the eruption of the world as such, this world in which we live in which non-hegemonic lives, already historically violated, continue to be victims of the machineries of death, of the desires of destruction and consumption. We can echo, in this logic, the ideas of Ailton Krenak: My provocation about postponing the end of the world is exactly to always be able to tell one more story. If we can do that, we are postponing the end.

    To break, presupposes a breaking blow in time and space: to break with a history of sequentiality and continuity of violence that nuances and marks the modern/colonial experience of the gentes thrown into the abyss. It is important, in this sense, more than reducing certain experiences to a binary violence/resistance game, to engender models of escape from the world, prioritizing the fabrications that visualize, beyond this dualism, forms of life.

    EBA URBE is a festival aimed at the production of young artists, in its majority, freely covering projects to be developed in various supports, languages and techniques, aiming to occupy the area of the Jorge Machado Moreira building (known as Rectory building) and its surroundings.

    We invite artists to send proposals for the III EBA URBE: Art and Public Space Festival starting January 20th, 2022.

    Hosted in the city of Rio de Janeiro, EBA URBE fully understands the nefarious dynamics that have consolidated this metropolis as a fractured space, where the policies of extermination practiced here have turned this city into a kind of laboratory of necropolitical experiences, which makes it essential to meet and exchange ideas, imaginaries that reconfigure the directions of the metropolis of the world and propose other ways of becoming

    III EBA URBE – FESTIVAL DE ARTE Y ESPACIO PÚBLICO: LA CAÍDA DEL CIELO

    El III Festival EBA URBE, Arte y Espacio Público, tras un paréntesis de siete años, reanuda sus trabajos con la difícil misión de pensar futuros posibles para la construcción de mundos que desconecten radicalmente de los registros de la colonialidad. En este proceso, la ruptura emerge como un dispositivo metodológico, no el único, pero sí de extrema importancia para poner en práctica imaginaciones radicales capaces y dispuestas a cumplir con este llamado.

    Apostando por el poder de las ficciones, se busca, más que un distanciamiento estratégico, la eclosión del mundo como tal, ese mundo en el que vivimos en el que las vidas no hegemónicas, ya históricamente violentadas, siguen siendo víctimas de las maquinarias de la muerte, de los deseos de destrucción y consumo. Las ideas de Ailton Krenak pueden resonar, en esta lógica: “Mi provocación sobre el aplazamiento del fin del mundo es exactamente siempre para poder contar una historia más. Si podemos hacerlo, estaremos posponiendo el final”.

    Romper, presupone un golpe de ruptura en el tiempo y en el espacio: romper con una historia de secuencialidad y continuidad de la violencia que matiza y marca la experiencia moderna/colonial del pueblo arrojado al abismo. Es importante, en este sentido, más que reducir ciertas experiencias a un juego binario de violencia/resistencia, engendrar modelos de fuga del mundo, priorizando las fabricaciones que visualizan más allá de este dualismo, formas de vida.

    Apostando por el poder de las ficciones, se busca, más que un distanciamiento estratégico, la eclosión del mundo como tal, ese mundo en el que vivimos en el que las vidas no hegemónicas, ya históricamente violentadas, siguen siendo víctimas de las maquinarias de la muerte, de los deseos de destrucción y consumo. Las ideas de Ailton Krenak pueden resonar, en esta lógica: Mi provocación sobre el aplazamiento del fin del mundo es exactamente siempre para poder contar una historia más. Si podemos hacerlo, estaremos posponiendo el final.

    Romper, presupone un golpe de ruptura en el tiempo y en el espacio: romper con una historia de secuencialidad y continuidad de la violencia que matiza y marca la experiencia moderna/colonial del pueblo arrojado al abismo. Es importante, en este sentido, más que reducir ciertas experiencias a un juego binario de violencia/resistencia, engendrar modelos de fuga del mundo, priorizando las fabricaciones que visualizan más allá de este dualismo, formas de vida.

    EBA URBE es un festival destinado a la producción de jóvenes artistas, en su mayoría, abarcando libremente proyectos a desarrollar en diversos medios, lenguajes y técnicas, pretendiendo ocupar el espacio del edificio Jorge Machado Moreira (conocido como edificio de la Rectoría) y sus alrededores. Invitamos a los artistas a enviar propuestas para el III EBA URBE: Festival de Arte y Espacio Público a partir del 20 de enero de 2022

    Con sede en la ciudad de Río de Janeiro, el EBA URBE comprende plenamente las nefastas dinámicas que han consolidado a esta metrópoli como un espacio fracturado, donde las políticas de exterminio que aquí se practican han hecho de esta ciudad una especie de laboratorio de experiencias necropolíticas, lo que hace imprescindible el encuentro y el intercambio de ideas, de imaginarios que reconfiguren los rumbos de la metrópoli del mundo y propongan otras formas de devenir.

    COMISSÃO DE SELEÇÃO

      
    Ana Valarino | Arquitecta (FADU Udelar, Uruguay), especialista en Paisaje (Maestría y PhD Université de Paris, France) es Profesora Agregada del Departamento “Paisaje y Espacio Público” de FADU y Profesora Adjunta en la Licenciatura en Diseño de Paisaje CURE, Udelar. Es investigadora Nivel I del Sistema Nacional de Investigadores ANII, Uruguay. Dirige e integra equipos multidisciplinarios, enlazando investigación, enseñanza y extensión. Su campo de trabajo se centra en el diseño del paisaje, con énfasis en las ciencias humanas y sociales (Líneas de trabajo: prácticas y representaciones paisajísticas, paisaje y cartografía, anatomía artística de los vegetales, valores asociados a la naturaleza, estudio etno-botánico de los ombúes). Como profesional independiente realiza proyectos, consultorías y asesoramientos en arquitectura del paisaje.
    Dalila dos Santos Cerqueira Pinto | Cenógrafa, Licenciada em Desenho e Plástica Gravadora - EBA/UFRJ. Mestre e Doutora em História e Crítica da Arte pelo Programa de Pós-graduação em Artes Visuais - PPGAV-EBA/UFRJ. Professora Adjunta de Desenho e Diretora Adjunta de Extensão da Escola de Belas Artes/UFRJ.
    Daniel Meirinho | Doutor em Ciências da Comunicação pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (FCSH/UNL), com intercâmbio acadêmico na Goldsmiths College (University of London) e na Universitat Autònoma de Barcelona (UAB). Mestre em Comunicação e Artes pela mesma universidade (FCSH/UNL). Desenvolve Pós-Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (PPGCOM-UERJ) com uma pesquisa sobre representação e resistência na produção artística contemporânea negra brasileira e sul-africana. Atualmente é Professor Adjunto do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e do Programa de Pós-graduação em Estudos da Mídia(PPgEM/UFRN).
    Fernando Gonçalves | Professor Associado do PPGCOM-UERJ, Doutor em Comunicação e Cultura pela UFRJ e Pós-doutor em Sociologia do Cotidiano pela Universidade Paris V- Sorbonne, com apoio da Capes. Foi professor convidado na Universidade de Montpellier III; pesquisador visitante na Universidade de Bari, Italia; e pesquisador visitante na Tisch School of the Arts da Universidade de Nova York, com apoio do CNPq. Foi diretor da Faculdade de Comunicação Social da UERJ. Coordenou o GT de Estudos de Cinema, Fotografia e Audiovisual da Compós. Bolsista de produtividade nível 2 do CNPq e artista visual.
    Fernanda Gomes | Graduada em Comunicação Social - PUC-MG, com especialização em Publicidade e Propaganda. Doutora, Mestre e Pós-Doutora em Comunicação e Cultura pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Integrante o Grupo de Pesquisa, Arte, Arquitetura e Sociedade Digital da Universidade de Barcelona, realizando pesquisa de Pós doutorado.
    Hugo Fortes | Artista Visual, Curador, Designer e Professor Associado da Universidade de São Paulo, Brasil. Como artista, já apresentou seu trabalho em mais de 15 países. Doutor e Livre-docente pela ECA - USP. De 2004 a 2006 realizou doutorado-sanduíche na Universität der Künste Berlin como bolsista DAAD. Foi curador de diversas exposições. Desde 2012 organiza o Seminário Internacional Arte e Natureza. www.hugofortes.com
    Ivair Reinaldim | Professor Adjunto do Departamento de História e Teoria da Arte e do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais na Escola de Belas Artes da UFRJ. Doutor e Mestre em Artes Visuais, com ênfase em História e Crítica da Arte- Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais-PPGAV-EBA/UFRJ, tendo realizado Estágio PDEE junto à École Doctorale Arts plastiques, esthétiques & sciences de l’art na Université Paris 1 – Panthéon Sorbonne. Mestre pela EBA-UFRJ, Especialista em História da Arte do Século XX e Bacharel em Gravurapela Escola de Música e Belas Artes do Paraná (EMBAP).
    Lucas Peries | Doctor en Arquitectura por la Universidad de Buenos Aires. Magíster en Arquitectura Paisajista por la Universidad Católica de Córdoba (UCC). Arquitecto por la Universidad Nacional de Córdoba (UNC). Profesor Titular en la Facultad de Arquitectura, Urbanismo y Diseño UNC. Profesor en la Facultad de Arquitectura UCC. Profesor de distintos programas de posgrado de Argentina y Colombia. Profesor invitado en múltiples universidades de Latinoamérica. Codirector ejecutivo de la Iniciativa Latinoamericana del Paisaje LALI. Miembro del Comité Permanente de Educación y Asuntos Académicos IFLA-AR. Socio e integrante del Consejo Directivo del Centro Argentino de Arquitectos Paisajistas. Miembro de la Sociedad de Estudios Morfológicos de Argentina. Director del Instituto del Paisaje UCC (2016-2021). Coordinador del departamento de Proyecto y Planeamiento UCC (2019-2021). Autor y coautor de numerosos libros y artículos en revistas científicas. www.lucasperies.com
    Marcia Escorteganha | Arquiteta Urbanista, Doutora em Arquitetura, Conservadora-Restauradora de Bens Culturais Móveis e Integrados (pesquisadora de pigmentos e tintas; pintura mural, pintura em tela, papel, fotografia e esculturas sacras).
    MICHELLE SALLES | Pesquisadora, professora e curadora independente. Professora Associada da Escola de Belas Artes da UFRJ e do Programa de Pós Graduação em Multimeios da Unicamp, Coordenadora da rede de pesquisa Cinemas Pós-Coloniais e Periféricos, Brasil e Portugal, e do projeto As práticas artísticas contemporâneas e o pensamento pós-colonial e decolonial. Pós-doutora em Estudos Contemporâneos pela Universidade de Coimbra, Investigadora Integrada do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra, coordenou o projeto de investigação À Margem do Cinema Português (2020), financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian.
    Mirian Tavares | Graduada em Comunicação Social pela Universidade Federal do Espírito Santo, Mestre em Comunicação e Semiótica - PUC-SP, Doutora em Comunicação e Cultura Contemporânea - UFBA E pós-doutorado - Universidade Nova de Lisboa(2001). Diretora/do CIAC, Centro de Investigação em Artes e Comunicação da Universidade do Algarve (PT).
    Norma Piazza Cossio |Arquitecta egresada de la Universidad de la República (UDELAR,Uruguay). Magister en Diseño de Paisaje (Universidad Pontificia Bolivariana, Colombia). Doctoranda en Arquitectura, en proceso de elaboración de tesis. Coordinadora académica y docente de la Licenciatura en Diseño de Paisaje (UDELAR). Prof. Adjunta del Departamento Paisaje y Espacio público del Instituto de Proyecto de la Facultad de Arquitectura, Diseño y Urbanismo (FADU-UDELAR) donde desarrolla actvidades académicas de investigación, enseñanza y extensión. Integrante del Núcleo interdisciplinario Aguas Urbanas (UDELAR) y del Departamento Territorio, Ambiente y Paisaje del Centro Universitario Región Este (CURE-Udelar). Docente en la Maestría en Diseño de Paisaje de la Universidad Pontificia Bolivariana y en la Maestría Paisaje, Medio Ambiente y Ciudad de la Facultad de Arquitectura y Urbanismo de la Universidad Nacional de La Plata. Co-coordinadora del NODO Investigación de la Iniciativa Latinoamericana del Paisaje (LALI).
    Paulo Cunha | Professor Auxiliar do Departamento de Artes da Universidade da Beira Interior, Doutor em Estudos Contemporâneos pela Universidade de Coimbra, Coordenador do Mestrado em Cinema. Membro integrado do LabCom – Comunicação e Artes da UBI e colaborador do Grupo de trabalho Correntes Artísticas e Movimentos Intelectuais do CEIS20 – Centro de Estudos Interdisciplinares do Séc. XX da Universidade de Coimbra. Coordenador editorial da Aniki: Revista Portuguesa da Imagem em Movimento e do Grupo de Trabalho Cinemas Pós-Coloniais e Periféricos da AIM – Associação de Investigadores da Imagem em Movimento.
    Pedro Maciel| Professor do Departamento de Multimeios, Cinema e Comunicação e do Programa de Pós-Graduação em Multimeios (Instituto de Artes - Unicamp). GraduaDO em Comunicação Social (Habilitação Jornalismo) -PUC-MG, Mestre E Doutor em Cinema e Audiovisual pela Universidade Sorbonne Nouvelle (Paris III) e Pós-doutorado em Cinema no Departamento de Cinema, TV e Rádio da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (CTR-ECA/USP). Coordena do grupo de estudos sobre o ator no audiovisual (GEAs - Unicamp) e participa como membro do Grupo de Pesquisas em Dramaturgia e Cinema (GPDC - Unesp/Araraquara) e do Grupo de Pesquisas em Gêneros Cinematográficos e Audiovisuais (GENECINE - UNICAMP).
    Rosana Pereira de Freiras | Historiadora da Arte, professora e curadora. Membro do CBHA/Comitê Brasileiro de História da Arte e do ICOM/Conselho Internacional de Museus, trabalhou mais de dez anos no MAM Rio de Janeiro. Doutora em Artes Visuais pelo PPGAV/UFRJ, com PDEE na Itália, junto à Unibo/Università di Bologna (2006/7). Foi bolsista da Freeman Foundation no ASDP/Asian Studies Development Program, East West Center, no Havaí (2013) e participou do programa “Creating Kyoto” da JSA/Japan Studies Association na OU/Otani University, em Quioto, no Japão (2014).
    RUBENS DE ANDRADE
    Professor Associado da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Docente da Escola de Belas Artes (História da Arte e Paisagismo) e Programa de Pós-Graduação em Arquitetura - ProArq/UFRJ, Paisagista (EBA/UFRJ), Mestre em Arquitetura (ProArq –FAU/UFRJ) e Doutor em Planejamento Urbano e Regional pelo (Programa de Pós-Graduação de Planejamento Urbano e Regional-IPPUR/UFRJ).
    Vinicios Ribeiro | Graduado em Publicidade e Propaganda, Doutor em Comunicação e Cultura pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, ECO/UFRJ, Mestre em Cultura Visual pela Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal de Goiás, Professor Adjunto da Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

    COORDENAÇÃO

      
    MICHELE SALES
    Pesquisadora, professora e curadora independente. Professora Associada da Escola de Belas Artes da UFRJ e do Programa de Pós Graduação em Multimeios da Unicamp, Coordenadora da rede de pesquisa Cinemas Pós-Coloniais e Periféricos, Brasil e Portugal, e do projeto As práticas artísticas contemporâneas e o pensamento pós-colonial e decolonial. Pós-doutora em Estudos Contemporâneos pela Universidade de Coimbra, Investigadora Integrada do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra, coordenou o projeto de investigação À Margem do Cinema Português (2020), financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian. Colaboradora do Centro de Estudos em Comunicação e Sociedade da Universidade do MinhoN e integrante do grupo TRAMA da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Curadora das exposições: Daqui para Frente: Arte Contemporânea em Angola (Caixa Cultural, Rio de Janeiro, 2017; Caixa Cultural, Brasília, 2018). Atua nas áreas: estudos pós-coloniais,decoloniais e anti-coloniais, feminismo interseccional, relações étnico-raciais e gênero.
    RUBENS DE ANDRADE
    Professor Associado da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Docente da Escola de Belas Artes (História da Arte e Paisagismo) e Programa de Pós-Graduação em Arquitetura - ProArq/UFRJ, Paisagista (EBA/UFRJ), Mestre em Arquitetura (ProArq –FAU/UFRJ) e Doutor em Planejamento Urbano e Regional pelo (Programa de Pós-Graduação de Planejamento Urbano e Regional-IPPUR/UFRJ). Líder no CNPq do Grupo de Pesquisas Paisagens Híbridas – GPPH-EBA/UFRJ.
    Equipe
    Beatriz Ellen | Graduanda do Curso de História da Arte, atua como pesquisadora no grupo Práticas Artísticas Contemporâneas e o Pensamento Decolonial (PIBIAC), Idealizadora e Curadora da exposição Para Além da Margem, subsidiado pelo Edital de Apoio a Projetos Estudantis da UFRJ com a PR-7-UFRJ.
    Caique Mota Cavalcante | Graduando em História da Arte – EBA/UFRJ. Bolsista no projeto de pesquisa, as práticas artísticas contemporâneas e o pensamento pós-colonial e decolonial.
    Carolina Frossard | 24 anos, sagitariana e carioca. Graduanda do curso de design e comunicação visual na EBA/UFRJ, atua no projeto EBA URBE na parte de comunicação das redes e com a identidade visual do projeto. É fotógrafa, artista visual e designer numa marca de óculos.
    Crislaine Tavares | Artista visual, pesquisadora, Graduanda do Curso de Gravura - Escola de Belas Artes -EBA/UFRJ. Membro do grupo de pesquisa As Práticas Artísticas Contemporâneas e o Pensamento Pós-Colonial e Decolonial.
    Fernanda Seade | Graduanda em Design e Comunicação visual- EBA/UFRJ, atua no projeto EBA-URBE - Festivaç Arte e Espaço Público, Integra a Equipe de identidade visual de é responsável pela Comunicação em rede.
    Raquel Vieira | Graduanda em História da Arte - EBA/UFRJ. Integrante da pesquisa As práticas artísticas contemporâneas e o pensamento pós-colonial e decolonial. àrea de concentração de pesquisa discussões decoloniais nas Artes Visuais. Graduada e, Psicologia (Universidade Federal Fluminense) e em Dança Contemporânea (Escola Angel Vianna). TAtua como Psicóloga institucional, com adolescência e juventude.

    CREDITOS | CREDITS | CRÉDITOS

    REALIZAÇÃO
    Escola de Belas Artes | EBA/UFRJ

    Organização
    Mídia LAB | EBA/UFRJ

    Parceria
    Grupo de Pesquisas PaIsagens Híbridas | EBA/UFRJ

    Concepção do Projeto EBA-URBE
    Profa. Dra. Michelle Sales | EBA/UFRJ

    Coordenação do III Festival EBAURBE
    Profa. Dra. Michelle Sales | EBA/UFRJ
    Prof. Dr. Rubens de Andrade | EBA/UFRJ

    Curadoria
    Michelle Sales 
    Caique Mota Cavalcante
    Raquel Vieir
    a

    Produção
    Beatriz Ellen
    Cris Tavares 


    Tratamento de Imagens
    Higor Alcântara

    Programação Visual
    Rubens Andrade
    Carol Frossard
    Fernanda Saade
    Cris Tavares


    SONY DSC