Forum de Debate | Brasília-2020

Provavelmente há uma mitologia brasiliense que
ainda está por ser narrada. O céu azul e a terra
vermelha ainda vão inspirar uma nova prosa,
uma nova ecologia: a dos capins sem fim.
Nenhum monumento, nenhuma exuberância.
Mesmo assim, por que é que o Cerrado
é fascinante? Deve ser a potência da
pura extensão territorial. Os sussurros da
imensidão ameaçada. O fim da distinção heróica
entre natureza e cultura. O choque incalculado
entre a arquitetura nacional e o Planalto Central.

Carlos M Teixeira, Brasília, cidade-Cerrado, 2020.

O Fórum Gramática dos Jardins: a natureza culturalizada, na sua segunda edição, estabelece pontes discursivas entre os pesquisadores do Grupo de Pesquisa Paisagens Híbridas -GPPH-EBA/UFRJ e o Grupo Janelas do Cerrado, vinculado à Universidade Católica, ao Instituto Federal e ao Jardim Botânico de Brasília. Essa aproximação anuncia múltiplas possibilidades para pensar a paisagem e a cultura paisagística do Centro-Oeste no Brasil, tendo como tema central as relações socioespaciais e ambientais estabelecidas com o bioma do Cerrado. O interesse da parceria formaliza arcos de questões que colocam em evidência:  (i) o potencial botânico do patrimônio vegetal do Cerrado; (ii) os desafios e tensões políticas e socioambientais dessa região e (iii) pontua o cotidiano de docentes, pesquisadores, profissionais e setores produtivos que atuam diretamente nas soluções paisagísticas implementadas no campo teórico-conceitual, metodológico e prático para o desenho da paisagem e a implementação de projetos paisagísticos.

Diante do elenco de questões levantadas, é importante destacar os ganhos que o Projeto  Janelas do Cerrado têm alcançado a partir de um trabalho que integra ações entre o ensino técnico, a universidade e os diferentes grupos sociais. As tarefas desenvolvidas possuem em sua matriz atributos que visam a valorização da educação ambiental e da cultura paisagística no Cerrado através de pautas relacionadas tanto às políticas públicas que favorecem a preservação da paisagem, como também a implementação ou criação de  instrumentos que podem ou não ser utilizados como agentes transformadores da sociedade, assim como a produção de uma paisagem qualificada ambientalmente e acessível a todas as camadas sociais. A propositura dessa abordagem e o acolhimento das narrativas resultantes do projeto Janelas do Cerrado têm oferecido renovados olhares para antigas práticas culturais referenciadas na relação sociedade e natureza; em particular, aquelas estabelecidas no Planalto Central do Brasil. Tal constatação abriu caminhos para se traçar paralelos com o conceito que rege o fórum Gramática dos Jardins: a natureza culturalizada em relação às prerrogativas conceituais, metodológicas e ações implementadas pelos estudantes, professores e pela comunidade envolvida no Projeto Janelas para o Cerrado

O bioma do Cerrado possui uma variedade aproximadamente de 12 mil espécies que se destacam na paisagem a partir de formas, porte, cores e texturas, ou seja, visualidades  que expõe o seu significativo potencial paisagístico. Diante disso, e considerando a pluralidade que define esse ambiente, surgiram perguntas instigantes para pensar como esse microcosmo botânico e as características do bioma poderiam ganhar protagonismo na paisagem urbana. Em que medida a utilização de espécies nativas no escopo de um projeto de paisagismo garantiria benefícios às diferentes escalas de intervenção na paisagem?  Como seria possível ampliar a produção e o uso das espécies nativas? O uso dessas espécies garantem efetivamente a conservação do ecossistema e da biodiversidade do bioma local? Seria viável subverter o valor estético que vigora nos  projetos  paisagísticos das cidades do Planalto Central, valorizando as potencialidades do paisagismo com espécies nativas de uma forma racional e incentivando o uso que, no nosso entender, agrega inúmeros benefícios ao espaço e ao bioma local?

Essas são algumas das questões e possibilidades de reflexões que surgem no horizonte da  edição de Brasília do Fórum Gramática dos jardins. Nosso objetivo prima por um diálogo interdisciplinar e, para tanto, convidamos profissionais, docentes e pesquisadores de distintas áreas ao exercício coletivo do reconhecimento e valorização do bioma do Cerrado no plano paisagístico e ao desafio de se discutir a paisagem e os jardins como herança cultural na história de Brasília. 


Aline Stefânia Zim
Carla Freitas Pacheco Pereira
Rubens de Andrade

Programa

  
Dia 22 de setembro
Sessão IJardins no planalto Central:
(re)criações e modus de manutenção e preservação de espaços paisagísticos
MediaçãoProf. Chesterton Ulysses Orlando Eugênio
Prof. Luciano C. Milhomens Cemin
DebatedoresBárbara Pacheco
Mariana Siqueira
Alexandre Sampaio
Dia 23 de setembro
Sessão IIDiversidade paisagística do bioma do Cerrado: valorização histórica e preservação da paisagem
MediaçãoProfa. Yara Regina Oliveira
DebatedoresCarlos Delphin Moura
Rayssa Fernandes
Dia 24 de setembro
Sessão IIIHeranças culturais do Cerrado:
práticas ecológicas e poéticas visuais em jardins vernaculares
MediaçãoProfa. Aline Stefânia Zim
Profa. Carla Freitas Pacheco Pereira
DebatedoresProfa. Ani Cátia Giotto
Camila Prado Motta
Prof. Luís Pedro de Melo César

Local, Data e links

Brasília, 22, 23 e 24 de setembro de 2020 | 19h00

22-09-2020 | https://youtu.be/YrSSYOA5Yy4

23-09-2020 | https://youtu.be/wGGzzR2F1AQ

24-09-2020 | https://youtu.be/yFEJb1o0hVM

Inscrições

Serão conferidos certificados de participação mediante a inscrição e participação nas sessões on line do evento. O Certificado deve ser solicitado junto Comitê Organizador através do correio eletrônico:
gramaticadosjardins@gmail.com





Pesquisadores

Ani Cátia Giotto | Bióloga, Mestre em Ciências Florestais (Pós-Graduação na Faculdade de Engenharia - UnB) e Doutora em Botânica (Programa de Pós-Graduação em Botânica do Instituto de Biologia - UnB). Docente nos cursos de graduação em Enfermagem, Farmácia e Fisioterapia.
Alexandre Bonesso Sampaio | Engenheiro Florestal Mestre em Ecologia e doutor em Ecologia - Universidade de Brasília. Pós-doutor ( Universidade do Havaí. Atualmente atua como analista ambiental do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade.
Aline Stefânia Zim | Arquiteta e Urbanista, Mestra em Arquitetura e Urbanismo (Centro Universitário de Brasília – UniCEUB) e Doutora em Arquitetura e Urbanismo pelo PPG da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília (2018) em Teoria, História e Crítica - Linha de Estética, Hermenêutica e Semiótica. Docente e pesquisadora no curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Católica de Brasília. Atua no projeto Abrindo as janelas do CERRADO: vegetação herbácea- arbustiva do Cerrado com potencial ecológico.
Bárbara Silva Pacheco | Bióloga ( Universidade de Brasilia. Mestranda pelo Programa de Pós Graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Montes Claros
Camila Prado Motta | Bióloga (Universidade Católica de Brasília), Mestra em ecologia (Universidade de Brasília – UNB), Gerente técnica de projetos e presidente da RSC. Atua por meio do projeto “Mercado de sementes e restauração: provendo serviços ambientais e biodiversidade” financiado pelo CEPF e Instituto Caixa Seguradora,
Carlos Fernando de Moura Delphim | Arquiteto Urbanista. Sempre gostou de flores e jardins, foi chamado para restaurar o Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Preocupado com os destinos dos jardins históricos do país, estendeu seus cuidados a todo o país, ao passar a trabalhar no Instituto do Patrimônio Histórico Nacional. Em Brasília participou de vários projeto inclusive da criação do Jardim Botânico de Brasília
Carla Freitas Pacheco Pereira | Arquiteta e Urbanista e Mestre em Arquitetura e Urbanismo (FAU-UnB),e Doutoranda no Programa de Pós-Graduação e, Psicologia (Linha de pesquisa Cultura Contemporânea e Relações Humanas (UCB), Pesquisadora e orientadora de Iniciação Científica no projeto de pesquisa Abrindo as Janelas do Cerrado: vegetação herbácea-arbustiva do cerrado com potencial ecológico e paisagístico.
Chesterton Ulysses Orlando Eugênio | Biólogo (Universidade Católica de Brasília), Mestre e Doutor em Botânica e em Ciências Florestais (Universidade de Brasília – UnB). Docente do Curso de Ciências Biológicas da Universidade Católica Brasília.
Luciano C. Milhomens Cemin | Engenheiro Florestal e Botânico (Universidade de Brasília – UnB). Atua nas áreas de identificação e classificação de espécies vegetais do Cerrado. Integra o corpo docente do Curso de Ciências Biológicas, da Universidade Católica de Brasília – UCB, pesquisador vinculado ao Projeto Janelas do Cerrado.
Luís Pedro de Melo César | Arquiteto Urbanista (UFCE), Mestre em Arquitetura e Urbanismo (UnB) e Doutor em Desenvolvimento Sustentável (UnB), Professor adjunto do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília.
Mariana Siqueira | Arquiteta Urbanista - Voluntária na Índia Rural (Fundación Vicente Ferrer) e Arquiteta paisagista no escritório holandês West 8 Urban Design and Landscape Architecure.
Rayssa Fernandes | Arquiteta e Urbanista (Universidade Católica de Brasília – UCB). Participou por um ano e meio como voluntária e bolsista de Iniciação Científica no Projeto Abrindo as Janelas do Cerrado, com a pesquisa O paisagismo residencial no DF na perspectiva das limitações na comercialização e na especificação das espécies vegetais nativas do cerrado.
Yara Regina Oliveira | Arquiteta Urbanista, Doutora em urbanismo (IUP Paris XII), Especialização em Antropologia Visual (UFG e em paisagismos pelo Conservatório Internacional de Parques e Jardins de Chaumont-sur-Loire na França). Membro do Comitê Científico da Paisagem Cultural e Coordenadora do Distrito Federal ICOMOS BR.

Créditos

Realização
Grupo de Pesquisas Paisagens Híbridas | GPPH-EBA/UFRJ
Universidade Católica de Brasília – UCB

Coordenação do Projeto
Prof. Dr. Rubens de Andrade 
Escola de Belas Artes – EBA/UFRJ/Grupo de Pesquisas Paisagens Híbridas – GPPH-EBA/UFRJ

Organização da Edição Brasília
Profa. Dra. Aline Stefânia Zim | Universidade Católica de Brasília
Profa. Me. Carla Freitas Pacheco Pereira | Universidade Católica de Brasília
Prof. Chesterton Ulysses Orlando Eugênio | Coordenador do Projeto Abrindo Janelas para o Cerrado