Tópico Especial – PROARQ-FAU/UFRJ

Profa. Vera Tângari e Prof. Rubens Andrade

Tópicos especiais em arquitetura II (45h) | 711 – FAH 811
2º Trimestre: 26 de junho de 2019 a 11 de setembro de 2019. | Quarta-feira, 14:00 – 17:30 – Sala 443

O Curso

Produto humano, fato da cultura, a paisagem traz impressa em tudo que a constitui: suas pautas, rituais e os significados simbólicos da sociedade que a produziu. Traz em si, portanto, forte componente ideológico que pode ser analisado a partir de sua formulação, como também na apropriação pela sociedade.

Através de uma perspectiva que assume um caráter político e cultural, e fundamentado pelos rigores das teorias e conceitos do campo de estudo da arquitetura da paisagem, desenha-se o pano de fundo reflexivo que será o fio condutor do curso com a finalidade de discutir a dimensão e o papel dos estudos da paisagem como matriz conceitual cujo vigor permite interpretar as relações entre cultura e natureza no ambiente construído.

O recorte temático e o objeto da disciplina voltam-se para um área de estudos fértil que revela desafios teóricos a serem enfrentados. Nesse sentido partiremos da compreensão crítica das práticas de organização do tecido urbano assim como formularemos análises para o processe de hibridizações culturais que se estabelecem na cidade e resguardam os estudos da paisagem em seu campo ampliado.

A escolha da arquitetura da paisagem como tema da disciplina aponta para diversos conceitos, mas também para instrumentais metodológicos cuja contextualização crítica solicita o estabelecimento de critérios, sejam eles associativos ou comparativos, que articulem objetos, ações e questões sob o prisma de domínios históricos, sociológicos, morfológicos e paisagísticos.

Os conceitos de cidade e campo, espaço e lugar, sociedade e natureza, arte e ambiente estabelecem-se como argumentos essenciais para o entendimento do recorte temático da disciplina: os estudos da paisagem, seus hibridismos culturais, conflitos espaciais e complexidades sociais

O ponto de partida da discussão das bases epistemológicos propostas pela disciplina optam pelo campo de estudos da Arquitetura e Urbanismo e seus atributos, alusivos à técnica, à arte e aos métodos de organização do espaço e da construção do lugar. A argumentação apoia-se no arcabouço teórico-metodológico tributário aos estudos urbano-paisagísticos, que, em particular, firma-se nas últimas décadas como área de excelência disciplinar e de conhecimento avançado.

Tais argumentações, transitarão pelos aportes teóricos relativos às ideias de invenção da paisagem e ao arcabouço teórico que se firma para pensar os conceitos de cultura paisagística, pois seus  fundamentos instauram uma compreensão dialética que confere o sentido e possibilita diferentes interpretações urbano-paisagísticas como matriz conceitual e elemento problematizador que se auto-defina.

A arquitetura da paisagem apresenta-se como território teórico que abriga e assegura o trânsito de ideias interdisciplinares e expansão de conceitos através do arco dos estudos contemporâneos.

O atravessamento entre tais campos de estudo pode revelar caminhos para a crítica de arranjos interpretativos a partir de padrões, símbolos e signos que se manifestam na morfologia do tecido urbano, afinal, ambos se revelam através da história da paisagem e, propriamente, na materialidade dos ambientes construídos.

O efeito que se quer gerar com tal movimento não é a subversão ingênua ou a banalização de conceitos, levando o contraditório ao seu limite – este não é o argumento estruturante da questão aqui apresentada.

A ideia é justamente o oposto disso, ao sinalizar, entre outras questões:

a) a rejeição de um aparelhamento sistêmico que reproduz conceitos;

b) a consequente desnaturalização teórica de conceitos aplicados até a sua exaustão e, por fim;

c) a crítica à mecanização de práticas analíticas da paisagem (auto-referenciadas) que carregam o estandarte de uma opaca rotina metodológica que, em tese, reescreve ideários, repete jargões, valida dogmas e, por isso, institui outros, congelando um debate que, por natureza, está sob o signo da anamorfose e pulsa através da reivindicação feita pelas forças produtivas avant garde.

O PROGRAMA

Sessão de AulaDiaRecortes Temáticos
26JUNApresentação da disciplina
Programa, metodologia, referências
03JULEpistemologia dos estudos da paisagem I: arcabouços teóricos e enclaves metodológicos
BESSE, J. Marc. O gosto do mundo: exercícios de paisagem. Rio de Janeiro: UERJ. 2014. [As cinco portas do conhecimento – ensaio de uma cartografia das problemáticas paisagísticas contemporâneas, p. 33-61].

LUCHIARI, Maria Thereza Duarte Paes. A (re)significação da paisagem no período contemporâneo In: ROSENDAHL, Zeny; CORRÊA, Roberto Lobato. Paisagem, imaginário e espaço. Rio de Janeiro: UERJ, 2001, (p. 9 -28).datetime="2019-06-28T20:48:17+00:00">

Texto complementar
COSGROVE, Denis E. Introduction to social formation and symbolic landscape In: DELUE, Rachael Ziady; ELKINS, James. Landscape Theory. New York: Routledge, 2008. [p.17-42].
10JULEpistemologia dos estudos da paisagem II: histórias de lugares e a construção de cotidianos
THOMAS, Keith. O homem e o mundo natural. São Paulo: Cia de Bolso, 2010, [O dilema humano , p. 343-428].

SCHAMA, Simon. Paisagem e memória. São Paulo: Cia das Letras, 2009, [Introdução, p. 513-573].

Texto complementar
SIMMEL. G. A ponte e a porta In: Revista Serrote, no. 17.Rio de Janeiro, IMS 2014.,
17JULEpistemologia dos estudos da paisagem III: Quadrantes do mundo natural: pensar os recursos naturais, a ordem ecológica e a crônica sobre a poésis do jardim.
DIEGUES, Antonio Carlos Sant'Ana. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: HUCITEC, 1996.[O surgimento do movimento para a criação de áreas naturais protegidas nos estados unidos e suas bases ideológica (p. 23-34); Da crítica à exportação do modelo de parques nacionais norte-americanos (p. 35-38); Escolas atuais de pensamento ecológico e a questão das áreas protegidas (p.39-52); Escolas atuais de pensamento ecológico e a questão das áreas protegidas (p.53-62); As representações do mundo natural, o espaço público, o espaço dos "comunitários" e o saber tradicional (p.63-74)]

CAUQUELIN, Anne. A invenção da paisagem. São Paulo: Martins Fontes, 2000. [Um jardim tão perfeito (p. 17-32); As formas de uma gênese (p. 33-42).

Texto complementar
WOOLF, Virgínia. A arte da brevidade. São Paulo: Autêntica, 2017. [Kew Gardens, p. 99-119].
24JULEpistemologia dos estudos da paisagem IV: referenciais simbólicos e lugares imaginários
ECO, Umberto. História das terras e lugares lendários. São Paulo: Record, 2013, [Os lugares de romance e sua verdade,p. 431-461].

TUAN, Yi-Fu. Paisagens do medo. São Paulo: Unesp, 2005, [Medo da natureza humana: fantasmas, p. 179-208].

CLAEYS, Gergory. Utopia: a história de uma ideia. São Paulo: SESC, 2013, [A Era Clássica, p.17-28; Arquétipos Cristãos: paraíso e inferno; milênio e apocalipse , p. 29-43].

Texto Complementar
TORRES, Ana Clara. Paisagens urbanas: uma reflexão da cidade em movimento In: TERRA, Carlos; ANDRADE, Rubens de. Paisagens culturais: contrastes Sul-Americanos. Rio de Janeiro: EBA Publicações, 2008, (p. 21-32).
31JULSeminário – Domínios da paisagem I
07AGOPaisagem e hibridismos culturais I: a esfera política-cultural e os reflexos no ambiente construído
BURKE, Perter. Hibridismo Cultural. São Leopoldo: Unisinos, 2013, [Introdução, p.13-22; Variedade de objetos, p. 23-38; Variedade de terminologias, p. 39-64).

GUATTARI, Felix. As três ecologias. São Paulo: Papirus, 2012.

EAGLETON, Terry. A ideia de cultura. São Paulo: Edusp, 2000.[Versões da cultura, p. 9-30, Cultura e natureza, p. 127-158].

Texto complementar
WAGNER, Roy. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify, 2010. [O poder da invenção, p. 75-122; A invenção do eu , p. 123-164].
14AGOPaisagem e hibridismos culturais II: resgatando histórias, produzindo o lugar
CORNER, James. The landiscape imagination: Collected essays of James Corner 1990-2010, [Recovering landscape as a critical cultural practice p. 111-129].

COLLOT, Michel. A paisagem na arte moderna contemporânea In: CARDOSO, Isabel Lopes. Paisagem patrimônio. Lisboa: Dafne, 2012, (p. 111-127).

ÁLVAREZ, Darío. El jardim em la arquitectura del siglo XX. Madrid: Editorial Reverté, 2007. [Arcádias sintéticas (p. 410-430); Geometrias de la memoria (p. 431-447); La naturaliza reinventada (p. 449-470)].
21AGOPaisagem-jardins – arcádias urbanas contemporâneas I
MOORE, Charles W.; MITCHELL, William J.; TURNBULL JR., William. A poética dos jardins. São Paulo: Unicamp, 2011, [O lugar do paisagista , p.25-63].

SOLNIT, Rebecca. A história do caminhar. São Paulo: Martins Fontes, 2016. [O caminho que deixa o jardim, p. 137-196].
28AGOPaisagem-jardins – arcádias urbanas contemporâneas II
BERJMAN, Sonia. An ideological-Aesthetic approch to Buenos Aires public parks and plazas In: CONAN, Michel; QUILTER, Jeffrey. Gardens and cultural chance: a Pan-America presxpective. Whashigton, D.C.: Dumbarton Oaks, Harvard University, 2007, (p. 47-64).

CONAN, Michel. The garden of seasons by Bernanard Lassus: Coming to Terms with Fleeting encouters in a Desentered World In: CONAN, Michel.Contemporary Garden aesthetics, creations and interpretations. Whashigton, D.C.: Dumbarton Oaks, Harvard University, 2007, (p. 99-119).

LEENHARDT, Jacques. Paisagem e morte In: ANDRADE, Rubens. MACEDO, Jackeline de. Revista Paisagens híbridas, V. 1 No. 1. Rio de Janeiro: Paisagens Híbridas, 2019, (p. 46-69).
4SETPaisagem-ciborgue – conceitos à deriva e em expansão
FELICE, Mássimo di. Paisagens pós-urbanas. São Paulo: Annablume: 2009. [As formas eletrônicas do habitar, p. 151-166].

BHABHA, Homie K. Mumbai em minhas mente: reflexões sobre sustentabilidade In: MOSTAFAVI, Mohsen; DOHERTY, Gareth. Urbanismo ecológico. São Paulo: Gustave Gilli,2014,(p. 78-93).

CAUQUELIN, Anne. Paisagem virtual, dois mundos separados In: CARDOSO, Isabel Lopes. Paisagem patrimônio. Lisboa: Dafne, 2012 (p. 19-32).

Texto Complementar
GARDIES, André. A paisagem como monumento narrativo In: Revista Noz, n. 3, 2009, (p. 48-61).
11SETSeminário – Domínios da paisagem II

REFERÊNCIAS

ÁLVAREZ, Darío. El jardim em la arquitectura del siglo XX. Madrid: Editorial Reverté, 2007.

BESSE, Jean-Marc. O gosto do mundo: exercícios de paisagem. Rio de Janeiro: Eduerj, 2014.

CARDOSO, Isabel Lopes. Paisagem patrimônio.

CAUQUELIN, Anne. A invenção da paisagem. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

CLAEYS, Gergory. Utopia: a história de uma ideia. São Paulo: SESC, 2013.

CORNER, James. The landscape imagination. Collected enssays of James Corner 1990-2010. New York: Princeton Architetural Press, 2014.

DELUE, Rachel Ziady; ELKINS, James (Editors). Landscape teory. New York: Routledge, 2008.

EAGLETON, Terry. A ideia de cultura. São Paulo: Edusp, 2000

ECO, Umberto. História das terras e lugares lendários. São Paulo:  Record, 2013.

GUATTARI, Felix. As três ecologias. São Paulo: Papirus, 2012

MOORE, Charles W.; MITCHELL, Willian J.; TURNBULL JR., Willian. A poética dos jardins. São Paulo: Unicamp, 2011.

MOSTAFAVI, Mohsen; DOHERTY, Gareth. Urbanismo ecológico. São Paulo: Gustave Gilli, 2014.

PÉRIGORD, Michel; DONADIEU, Pierre. Le paysage. Paris: Armand Colin, 2012.

RIBON, Michel. A arte e a natureza. R: Armand Colin, 2012.

ROSENDAHL, Zeny; CORRÊA, Roberto Lobato. Paisagem, imaginário e espaço. Rio de Janeiro: Eduerj, 2001.

SCHAMA, Simon. Paisagem e memória.  São Paulo: Cia das Letras, 2009.

SOLNIT, Rebecca. A história do caminhar. São Paulo: Martins Fontes: 2016.

TERRA, Carlos; ANDRADE, Rubens. Paisagens culturais: contrastes Sul-Americanos. Rio de Janeiro: EBA Publicações, 2008.

THOMAS, Keith. O homem e o mundo natural. São Paulo: Cia de Bolso, 2010.

TUAN, Yi-Fi. Paisagens do medo. São Paulo: Unesp, 2005.

WAGNER, Roy. A invenção da cultura. Cosac Naify, 2010.

WOOLF, Virgínia. A arte da brevidade. São Paulo: Autêntica, 2017.

Paisagista pela Escola de Belas Artes/Universidade Federal do Rio de Janeiro, Mestre em Ciências da Arquitetura pelo Programa de Pós-Graduação em Arquitetura – ProArq – FAU/UFRJ. Doutor em Planejamento Urbano e Regional pelo Programa de Pós-Graduação de Planejamento Urbano e Regional ? IPPUR/UFRJ. Professor Adjunto da Escola de Belas Artes/UFRJ, no Curso de História da Arte. Atua como Coordenador do Grupo de Pesquisas História do Paisagismo- EBA/UFRJ.

Escola de Belas Artes| Universidade Federal do Rio de Janeiro